symbol

18 Abr 2020

Seria um desperdício não aproveitar esta “oportunidade”

mask white
Seria um desperdício não aproveitar esta “oportunidade”

Sair de uma para nos metermos noutra? Não, obrigado. Não me parece boa ideia. Não me parece que seja essa a lição necessária neste mundo que vivia a mil à hora.

Vivíamos num mundo de frenesim, onde tudo acontecia a uma velocidade alucinante. Agora, parece que fomos do 80 para o 8. Será que é mesmo assim ou estamos só a alterar as rotinas e o foco e a manter-nos com a mesma tendência para ir para o 80?

De 2 horas por dia ao telemóvel passei para 5. De algumas atividades no computador, passei para mil. Chego a estar 2 horas a responder a mensagens, sem ainda ter chegado ao email. Chego ao final do dia e parece que não tive tempo para fazer tudo o que precisava. E isto para não falar no tempo que queria e devia estar com os meus meninos… E não estou porque o trabalho assim o exige, apesar de estarem mesmo aqui ao lado, em casa. Deveria ter estado com eles a apoiar nos trabalhos da escola, mas não consegui.

Onde está a paragem? Estaremos mesmo a aproveitar a oportunidade para o mergulho e crescimento interior? Estaremos a dedicar-nos ao essencial, ou a distrair-nos e perder esta preciosa oportunidade? Onde está a minha atenção?

Sim a crise pode servir para aprendermos, para percebermos o que é mais importante, daquilo que mais sentimos falta. O supérfluo, aquilo que nos consumia tempo e não nos preenchia, pode ficar para o segundo plano.

 

É tempo de parar, refletir e reorganizar.

O Dr. Daniel Siegel, professor clínico de psiquiatria, deixou-nos uma sugestão para alimentarmos a nossa mente de forma saudável, com os ingredientes necessários e a quantidade adequada: o “Prato da Mente Saudável”. Sugere-nos que a cada dia tenhamos um tempo de foco, no qual nos dediquemos a atividades que impliquem concentração na tarefa de maneira orientada para atingir um objetivo, como o trabalho por exemplo. Que tenhamos um tempo para nos conectarmos, para nos relacionarmos com os amigos e família. Que tenhamos um tempo para brincarmos, permitido-nos ser espontâneos ou criativos, desfrutando em pleno das experiências. Que tenhamos um tempo de introspecção, no qual nos devemos escutar no silêncio, nos sentirmos, prestarmos atenção à nossa experiência ou mesmo para nos dedicarmos a escrever sobre aquilo que estamos a viver ou pelo qual estamos gratos. Que tenhamos tempo para a atividade física, tão essencial ao nosso bem-estar físico, como mental. Que tenhamos tempo para fazer “nada de especial”, como não estarmos focados, não termos objetivos, apenas com o propósito de descansar, relaxar. E que tenhamos tempo para dormir. Tempo essencial para a nossa saúde e bem-estar.

Sim, parece difícil ter tempo a cada dia para tudo isto. Sim, podemos voltar ao frenesim do mundo que já lá vai e não aproveitar para reorganizar e nos centrarmos naquilo que é efetivamente essencial. Porém, seria um desperdício tão grande não aproveitar esta “oportunidade”.

Marco Clemente

Fisioterapeuta e osteopata

loading